sábado, 8 de outubro de 2016

2016 Volvo V90 D4



A pergunta da publicação anterior fica agora com mais uma resposta. Compraria este veículo?
Iniciemos a abordagem a esta "carrinha" e depois darei o meu veredicto.

Temos em “mãos” uma imensidão de carro. É imponente no tamanho (4936mm de comprimento, 1890mm de largura e 1475mm de altura, a distancia entre eixos é de 2941mm), posso afirmar que os “rivais” mais directos serão o Audo A6, o BMW série 5 Touring e Mercedes Classe E Staion.

 Abordagem feita pela Volvo às motorizações – apenas motores de quatro cilindros, gasolina ou gasóleo e híbrido – é igual no S90 e V90. Assim, poderemos optar entre os blocos a gasóleo D4 e D5 (ambos 2.0 litros turbo) ou o T6 (quatro cilindros a gasolina) e o T8 Hybrid com 407 CV – este ainda não é comercializado em Portugal. O que me coube experimentar foi a V90 D4, equipado com o motor 2.0, quatro cilindros turbo-diesel com 190cv, equipado com caixa automática de 8 velocidades (Geartronic) e equipamento de topo – Inscription.

Este motor D4 190cv e 400Nm mostra-se menos “nervoso” do que o D5, este com 235cv – testado no S90, da publicação anterior – contudo, é suficientemente capaz de mover o conjunto. Os 225km/h e os 8.5s dos 0 aos 100km/h são bem interessantes para este tipo de “carrinha”, notando-se uma clara vocação mais familiar do que desportiva.
O motor responde muito bem, sempre com força disponível, quando mais precisamos.
 
A posição de condução é excelente, fácil de obter. O conforto é palavra de ordem, embora as jantes de liga-leve de 20 polegadas com pneus de baixo perfil deixem passar para o habitáculo e seus ocupantes as irregularidades das estradas.
O sistema de som incrível. Mais uma vez tive a oportunidade de experimentar a “sala de concertos” da Bowers & Wilkins, assim como o sistema de info-entretenimento em forma de um tablet. Simples de operar, intuitivo e prático.

O V90 D4 Incription custa mais de 59 mil euros, um custo considerável, deixando óbvio que a Volvo aposta em clientes que gostam da qualidade do produto.

Conclusão:
 A V90, assim como a S90, não é um carro consensual, não é fácil de se gostar nem de odiar. Existem aspectos positivos e negativos com pesos diferentes no fiel da balança. A V90 é uma carrinha linda, carácter robusto à moda escandinava. É económica, prática com pormenores fantásticos. No lado menos positivo as jantes de liga-leve de 20” com os pneus de baixo perfil e a necessidade de alguma habituação ao sistema opção múltiplo de controlo de conforto.
A nova V90 da Volvo é, como na versão S (berlina S90), espaçosa, agradável, os materiais usados e instalados à prova de críticas.
Gostei bastante, sou fã das “carrinhas” e esta enche-me as medidas. Pena o preço demasiado elevado…a Volvo sabe o que quer e qual o seu alvo.


Mais uma vez agradeço ao comercial Volvo AutoSueco Gaia – Hugo Baptista por mais este test-drive.




















Sem comentários: